“De tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantar-se o poder nas mãos dos maus, o homem chega a rir-se da honra, desanimar-se de justiça e ter vergonha de ser honesto.”

Rui Barbosa

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Oceano em fúria, força indomável, assim como a língua humana!

"Coloqueis vós uma única gota de água no oceano e seu volume aumentará, tireis vós uma única esperança ou uma fração da dignidade do semelhante e vosso espírito diminuirá, se distanciando gradativamente daqueles de níveis mais elevados."

Joel Alves Bezerra



Uma das forças indomáveis da natureza, o desconhecido, o mistério que nos atrai.

Um dos lugares em que o homem não terá nunca o domínio, o que garante que permanecerá assim para a eternidade, uma fonte de vida, de recursos, de imaginação, de sonhos.

O poder, a força, a grandeza, somos tão pequenos nesse mundo e nos achamos maiores que o oceano, somos todos iguais, feitos de um grão de terra, uns com mais sorte que outros, mas na essência, somos todos iguais, somos nada.

Temos muito que aprender nesse universo, nessa vida, nessa terra, aprendermos a sermos mais humildes, a julgarmos menos, a compreender mais.

Falta tolerância, falta respeito, falta diálogo entre nós, seres humanos, é fácil humilhar, acusar, condenar...

Difícil é compreender, reconhecer um erro, consertar.

Palavras ditas lançadas como uma flecha para machucar, sem dó, sem piedade, sem razão, simplesmente para ferir e nada mais.

Melhor o silêncio que às vezes tem o som mais alto que a fúria dos oceanos, o silêncio que quer gritar, mas há de se ter paciência, pois nada como um dia após o outro, nada como o tempo que é o senhor de tudo para nos mostrar a verdade, para nos ensinar a humildade, para nos ensinar o respeito, para nos ensinar os reais valores dessa vida, para nos ensinar o perdão.

Isso que escrevi, essa postagem, não é para ninguém especificamente, é para todos nós,  é para mim, é apenas para uma reflexão!

Fernando Rocha

Fotos Google:
















Troca de Links - Ocioso

Postagens Populares Mãe Terra

Distante dos olhos, tão perto de mim...